Colega de Trabalho

Olá, meu nome é William. Tenho 28 e vou contar uma história que aconteceu comigo. Quando tinha 23 anos, arrumei um emprego em uma empresa de médio porte. Lá, sempre no primeiro dia de trabalho de um funcionário novo, seu líder tinha que apresentá-lo para toda a empresa.
Colega de Trabalho
35 votos

Colega de Trabalho

Olá, meu nome é William. Tenho 28 e vou contar uma história que aconteceu comigo. Quando tinha 23 anos, arrumei um emprego em uma empresa de médio porte. Lá, sempre no primeiro dia de trabalho de um funcionário novo, seu líder tinha que apresentá-lo para toda a empresa.

Como manda o ritual, sai cumprimentando todo mundo. Como sou tímido, ficava sem jeito a cada apresentação, exceto com uma pessoa. Era uma mulher linda. Aparentava ter 28 anos. A pele branca, cabelos ruivos e olhos castanho claros. Era a pessoa mais linda que eu já tinha visto. Pude sentir seu doce cheiro quando ela me cumprimentou dizendo:

– Prazer, Julia.

Com uma confiança que jamais tive, respondi:

– Prazer, William. Mas pode me chamar de Will.

Na volta para casa, não conseguia parar de pensar na Julia e o que poderia fazer para ficar com ela.

Passado alguns dias, fui informado de que em sete dias haveria uma festa na empresa e que todos os funcionários, sem exceção, participariam. Fiquei animado na hora, pois era uma chance clara que eu tinha para tentar ficar com ela.

Sete dias se passaram e chegou o tão aguardado evento. Ao chegar no local da festa, notei que haviam muitos tipos de bebidas e uma pista de dança com luzes, fumaça e um DJ tocando. Fiquei surpreso pois não esperava isso de uma festa da empresa.

Após alguns minutos, avistei Julia sentada em um canto, com um vestido preto bem justo, marcando as deliciosas curvas de seu corpo e deixando suas coxas grandes deliciosas para amostra.

Me dirigi ao bar e pedi 2 bebidas. Caminhei até ela e ofereci a bebida. Ela logo aceitou e começamos a conversar. Após alguns drinks e muita conversa, Julia me confidenciou que havia algum tempo que ela estava de olho em mim. Logo abri um sorriso e disse que também estava interessado nela, então perguntei o que estavamos esperando. Agarrei ela em meus braços e comecei a beijá-la lentamente, sentindo o gosto doce de sua boca e seus lábios carnudos.

Após muitos amassos e o tesão chegar no auge, resolvi chamá-la para sair dali e irmos para um lugar mais reservado. Andando pelo lugar, achamos uma sala com algumas caixas empilhadas dentro. Como estávamos muito excitados, resolvemos entrar ali mesmo.

Enquanto adrentava na sala, ouvi o barulho da porta se fechar. Quando olhei para trás, pude ver Julia andando em minha direção com uma cara de tesão e tirando lentamente uma das alças de seu vestido deixando um de seus deliciosos seios à mostra. Ao chegar bem próximo de mim, ela virou-se de costas, levantou seu cabelo deixando sua nuca a mostra e começou a rebolar bem devagar em meu pau, que já se encontrava bem rígido, pronto para penetrá-la.

Enquanto ela rebolava e esfregava a sua bunda deliciosa em mim, eu apalpava seu seio de fora e beijava sua nuca, fazendo ela soltar leves gemidos de prazer. Já estava louco, virei ela para mim, peguei-a no colo, encostei-a na parede e eu comecei a beijá-la com mais voracidade. Enquanto uma de minhas mãos a segurava, a outra colocava meu pau para fora da calça. Ao perceber o que eu estava fazendo ela soltou uma de suas mão de minha nuca, levantou o vestido colocou sua calcinha um pouco de lado o suficiente para o meu pau penetrar em sua bucetinha deliciosa e já molhadinha. Isso a fez soltar um gemido carregado de tesão.

Comecei a meter bem devagar, e a cada vez que eu a penetrava ela soltava um gemido delicioso. Estava cada vez melhor. Então comecei a acelerar e os gemidos foram ficando cada vez mais intensos. Como eu não queria gozar, nem que ela gozasse, coloquei ela no chão, virei ela de costas para mim e fiz com que ela colocasse as duas mãos na parede. O salto que ela usava deixava sua bunda bem empinada do jeito que gosto.

Comecei a meter em um ritmo muito mais intenso e a dar alguns tapas naquela bunda deliciosa. A cada tapa que eu dava, a pele branquinha dela ficava vermelha com o formato de meus dedos.

Já sem forças para aguentar mais, comecei a meter mais rápido. Ela vendo que eu estava perto de gozar, começou a rebolar e a gemer mais alto, até soltar um grito intenso contínuo. Suas pernas tremiam de tão intenso que tinha sido o orgasmo. Eu também não tinha mais forças. Nunca tinha gozado tão gostoso na minha vida.

Ficamos trocando algumas caricias até recuperar o fôlego para voltar à festa sem levantar suspeitas.

Após essa aventura, eu e Julia ficamos muito íntimos, mas não engatamos um romance. Hoje somos amigos e sempre que podemos nos encontramos para fazer mais loucuras. Espero que tenham gostado. Em breve volto com novas histórias.

Share Button
Colega de Trabalho
35 votos