Meu Professor de Filosofia

Meu Professor de Filosofia
Meu Professor de Filosofia
3 votos

Estava no último ano do ensino médio quando na metade do segundo semestre, entrou um novo professor de Filosofia. No começo, confesso que até me senti atraída por ele, e até ficava molhadinha pensando nele. Um mês antes do ENEM, resolvi dar uma revisada na matéria dele – não que fosse exatamente essa minha intenção. Numa quinta-feira ficamos de janela na ultima aula, então fui na sala dos professores para poder falar com ele. Chegando lá, ele estava sozinho, com um sorriso safado, falei:

— Oi, professor, posso falar com o senhor?

— Claro, Luiza, entre. — Ele me respondeu com outro sorriso, mas não tão safado quanto o meu.

Entrei e já fui ficando toda molhada só por sentir aquele cheiro de maconha que ele tinha. Humanas, né… Falei que queria saber sobre alguns pensadores e suas ideologias. Peguei meu caderno, abaixando-me e arrebitando meu cuzinho. Com o caderno em mãos, fui chegando perto dele e comecei a perguntar as coisas. Conforme ele ia me respondendo, eu ia ficando cada vez mais perto dele. Até que fingi derrubar meu lápis só para encostar meus pequenos seios no braço dele. Ele fingiu não sentir e continuou a me explicar. Conforme o tempo passava, eu sentia mais vontade de chupar aquele pênis. Depois de uns vinte minutos de “aula particular”, eu resolvi ir mais a fundo. Peguei minha garrafinha de água da bolsa, e comecei a tomar, “sem querer” deixei cair um pouco de água na minha blusa. O professor, rindo, falou:

— Quer que eu vá pegar um pano para você se secar?

Eu, toda safadinha, respondi:

— Não, eu tiro a camiseta e deixo secar.

Ele me olhou com uma cara de espanto, mas concordou que eu tirasse. Quando eu comecei a tirar a camiseta, ele foi logo me agarrando e me beijando. Em menos de um minuto eu peguei no pênis dele e tirei pra fora, comecei a acariciá-lo bem gostoso. Ajoelhei e fui chupando ele todo, olhando fixamente em seus olhos com uma cara de quem estava excitada demais com aquilo tudo. Chupava até aquele pau gostoso chegar perto da minha úvula, sentia as veias pulsando em minha boca e ficava cada vez mais molhada.

Parei de chupar ele falei no ouvidinho dele para ele me foder com muita calma, pois tinha tido poucas relações e ainda doía. Ele me deixou de quatro e foi colocando aquele pau gigante na minha bucetinha apertada. Ficamos transando por minutos, mas precisamos parar, pois a última aula ia acabar e os outros professores iam para sala. Mas antes de ir embora, bati uma punheta bem gostosa pra ele, e mandei ele gozar na minha boca. Depois desse dia a gente se olhava toda aula, e sempre que nós dois podíamos, repetiamos aquela dose de sacanagem.

~ ~ ~

Conto escrito pela leitora Fiosexia.

Gostou desse conto? Então não esqueça e avaliar e comentar! Comente o que achou.

Share Button
Meu Professor de Filosofia
3 votos