O capitão e a alemã

O capitão e a alemã

Eu e meu marido estávamos viajando para o Brasil. Éramos alemães e fugíamos da guerra. Três noites atrás esse estranho conseguiu me seduzir e eu me tornei dependente de sua rolona. O Capitão do Navio.

Para não correr risco, o Capitão me ensinou por onde eu deveria fugir e ir para tal lugar, aonde meu maridinho iria me achar sem desconfiar de nada. E assim aconteceu. Passaram-se dois dias em que o Capitão tentou de tudo, discretamente é claro, para me ter de novo. Eu me sentia apática a esses avanços, embora minha natureza ninfomaníaca já fosse despertada. Eu me segurava o máximo para não correr nenhum risco que fosse destruir meu casamento, e ainda mais naqueles anos 40. Eu não queria o Capitão de carne e osso, eu queria a situação, o inusitado, o proibido, o bizarro!

Assim comecei a ficar febril quando pensava nos dois homossexuais que eu vira transando no convés nas primeiras noites navegadas. Numa das visitas freqüentes que eu e meu corninho fazíamos ao camarote do Capitão para conversarmos, embora eu servisse de interprete o tempo todo, já que meu maridinho não falava inglês, ele implorava para que eu fosse dele uma vez mais. Isso tudo era falado sem subterfúgios, mas sem demonstrações sentimentais para que meu corno marido não pudesse desconfiar. Era realmente engraçado. Eu conversava em querer chupar duas rolas ao mesmo tempo, em ser o recheio de um sanduíche sexual. O capitão dizendo que ansiava em chupar minha xana, saborear com a língua meu cuzinho e deslizar sua piroca nele! Enquanto eu me virava pró corninho e lhe dizia que o clima no Brasil nesta época do ano era bastante úmido, etc, etc…!!

Continuar leitura

Basta um beijo

Basta um Beijo

Basta um beijo. Um encostar de lábios para que o meu sangue comece a ferver. Eu sinto o calor subindo pelas minhas pernas e dominando o meu corpo, girando pela cintura, circulando os seios ouriçados. Descendo lentamente pelo ventre até explodir em tesão. Incontido e urgente, suas mãos se acomodam entre as minhas pernas e sinto um aperto forte; Mãos fortes de homem. Aqueles dedos me tocam e me fazem arrepiar. Com minha calcinha molhada te vejo me olhar com um semblante de tesão! Ah, como eu adoro esse semblante!

O beijo está maravilhoso demais para não terminarmos nos deleitando com prazer em nossa cama. Qualquer momento é perfeito para transar com você. Me joga na cama e vem por cima de mim, passa a sua barba no meu pescoço. Você está tão quente.

Seu beijo com essa boca faminta pelo meu corpo. Beije e chupe os meus seios, são seus feitos à medida exata de tua mão. Passe a sua barba entre eles e na minha cintura, passe suas mãos pelo meu corpo todo, das coxas até os seios. Beije a minha cintura, minha barriga e me chupe. Só você sabe me chupar com tanta vontade e me dar tanto prazer, dê esse beijo em minhas coxas e me faça sua mulher.

~ ~ ~

História verídica contada pela leitora G.R..

Gostou? Não esqueça de deixar seu comentário. Diga se você gozou ou broxou com este conto!

Professor de Biologia

Professor de Biologia

Tudo começou quando eu estava fazendo cursinho pré vestibular. Tinha 18 anos. Professores novos e dentre os 10 que tinha, um me chamou a atenção. Julio é o nome dele. Professor de biologia, ele era alto, forte, moreno, tinha um charme juntamente com um sorriso maravilhoso, me lembrava um ex-namorado que eu tive há uns 3 anos atrás. Me apaixonei de cara. Ele tinha 31 anos, divorciado e com dois filhos pequenos. Era super simpático e tratava todos os alunos com atenção e carinho. Eu odiava biologia, mas depois que o Julio cruzou meu caminho, mudei totalmente meus conceitos com a matéria. O tempo foi passando e ele despertando cada vez mais uma paixão em mim. Até que tomei uma decisão totalmente inesperada e durante uma das aulas perguntei:

-Professor, como é a faculdade de biologia? Tem que dissecar cadáver?

-É muito boa e interessante. Lá você entende tudo o que acontece com você, dentro de você e ao redor de você. E bem, depende muito da instituição de ensino. Por exemplo, onde eu fiz minha graduação não foi necessário. Respondeu Julio com o maior profissionalismo possível.

-Que bom,estou querendo biologia.

-Mas você não queria engenharia química?

-Desisti. Biologia me despertou uma paixão maior. Você pode me explicar o processo de mitose? Não peguei bem.

-Claro minha linda,após a aula ficaremos aqui.

E nesses plantões extras de dúvidas e todo o carinho do Julio eu consegui passar para a federal do meu estado para biologia e voltei ao curso para agradecer ele, claro com segundas intenções, enquanto ele dizia:

-Marinaaaa, parabéns! Veio pagar meu chope?

Ele fazia uma brincadeira em que o aluno que passasse para a universidade voltaria lá e pagaria um chope para ele. Aproveitando isso voltei e bem provocante. Estava com um shortinho jeans apertadinho que valorizava meu bumbum,uma regata bem soltinha florida que mostrava bem a marca de biquíni, rasteirinha e óculos de sol. Cabelos pretos,lisos e na altura dos seios. Quando o vi fui logo respondendo:

-Mas é claro que sim professor. Ainda mais para biologia. Vamos ali na pizzaria?

-Vamos, vamos. Vou só entregar essa ata ali na coordenação.

Fomos tomar o chope. Conversamos,rimos,falamos besteiras e até que o que eu mais esperei aconteceu. Ele começou a me olhar diferente e me elogiar,me chamando de linda e de como fiquei bonita bronzeada. Aquilo me deu uma vontade de pular no colo dele e sentir o gosto daquela boca deslizando sobre meu pescoço,descendo pelos meus seios até chegar na boceta. Ele foi se aproximando e me deu um beijo, de arrepiar até onde não tinha pelos. Afastei-me e ele começou a se desculpar dizendo que não conseguiu mais me enxergar como aluna e sim como uma mulher linda que usou ele como inspiração para seguir carreira. Depois disso eu retribui o beijo. O clima esquentou até que ele me propôs que eu fosse para o apartamento dele que era perto dali. Chegando lá,ele voltou a me beijar e entramos no quarto dele. Era tudo bem montado,cama de casal e ar-condicionado. O beijo continuou forte,ele me deitou na cama e levantou minha blusa,beijando minha barriga até chegar nos seios. Tirou meu short e a blusa juntamente com o sutiã. Fiquei só de calcinha ( minúscula e fio dental),ele ficou louco de me ver peladinha e toda bronzeadinha de sol só pra ele. Começou a chupar meus peitos e desceu até a boceta,tirando a calcinha com a boca. Dizia que nunca tinha visto uma bocetinha tão linda como a minha. Chupou loucamente e me fez gozar somente com a língua. Quando ele tirou sua roupa fiquei completamente excitada com aquele cacete enorme, só conseguia pensar em chupar e metendo em mim. Estava com tanta vontade em dar que já pedi pra penetrar. Era um prazer indescritível sentir aquele pau entrando e saindo rapidamente.Gozei mais duas vezes, e ele apenas uma. Transamos em varias posições. Quando terminamos fomos tomar banho juntos e ele me levou em casa de carro. Antes de sair, falei:

-Adorei estudar métodos de reprodução com você professor.

Depois desse episódio saímos mais algumas vezes e acabamos namorando. Hoje estamos casados.

~ ~ ~

História verídica contada pela leitora Bióloga por acaso.

Gostou? Não esqueça de deixar seu comentário. Diga se você gozou ou broxou com este conto!

Perdendo a Virgindade com o Irmão

Perdendo a Virgindade com o Irmão

O pai de Kaio se casou com a minhã mãe. E todas as férias Kaio vinha pra cá, mas desde que a mãe dele adoeceu, ele não veio mais. Fazia quatro anos que eu não o via mais. Até que a mãe dele faleceu de câncer. Seu pai, meu padrasto, convidou ele para morar com a gente, e para a minha surpresa ele aceitou. Ele tinha 21 anos. Eu estava vindo da escola com um amigo que me deixou em casa de moto. Quando fui me aproximando da casa eu vi aquele moço lindo sentado nas escadas da porta. Me encarando.

— Oi, Danne!

— Kaio?

— Oi, garota, você cresceu, hein?

— Você também.

Ele me deu um beijo na testa e sorriu plenamente. Continuar leitura

Meu Primo Safado

Meu Primo Safado

Desde pequena eu e meu primo tínhamos um certo chega mais. Vira e mexe pegavam a gente brincando de médico no banheiro ou no salão de festas da casa da minha vó. Aos quatorze anos fui morar com minha tia, mãe desse primo. Minha tia era muito rígida e ele por ser 6 anos mais velho que eu, já tinha namorada e uma vida normal de qualquer jovem dessa idade. Sempre que minha tia saía, eu ia junto com ela, nunca acontecia nada que pudesse sequer lembrar os fatos ocorridos na nossa infancia.

Certo dia fiquei de castigo e meu primo chegou mais cedo, pois teve um desentendimento com a namorada. Minha prima mais nova estava com minha tia e a mais velha estava com o namorado na casa dele. Era sexta-feira e nesse dia passava, num certo canal, filmes eróticos a partir das 22h. Eu estava no quarto e por lá fingi que fiquei. Meu primo na sala começou a assistir e ia aumentando o volume. Curiosa, fui na espreita ver o que ele estava fazendo e aquilo me deu um tesão incrível. Corri no quarto e fingi estar saindo do quarto para ir até a cozinha. Acendo a luz e ele abaixa o som vindo da sala, então perguntei se ele quer água. Ele, claro, aceita. Que bom! Continuar leitura

Professor de Biologia

Professor de Biologia

Tudo começou quando eu estava fazendo cursinho pré-vestibular. Tinha 18 anos. Professores novos e dentre os dez que tinha, um me chamou a atenção. Julio é o nome dele, professor de biologia. Ele era alto, forte, moreno, tinha um charme juntamente com um sorriso maravilhoso que me lembrava um ex namorado que eu tive uns três anos antes. Por isso me apaixonei logo de cara. Ele tinha trinta e um anos, era divorciado e com dois filhos pequenos. Era super simpático e tratava todos os alunos com atenção e carinho. Eu odiava biologia, mas depois que o Julio cruzou meu caminho, mudei totalmente meus conceitos com a matéria. O tempo foi passando e ele despertando cada vez mais uma paixão em mim. Até que tomei uma decisão totalmente inesperada:

— Professor, como é a faculdade de biologia? Tem que dissecar cadáver?

— É muito boa e interessante. Lá você entende tudo o que acontece com você, dentro de você e ao redor de você. E, bem, quanto ao cadáver, depende muito da instituição de ensino. Por exemplo, onde eu fiz minha graduação não foi necessário.Continuar leitura

A Ninfeta e o Dentista

A Ninfeta e o Dentista

Este já era o quinto mês que Juliana vinha ao meu consultório dentário após as aulas para apertar seu aparelho. Juliana era alta e tinha os cabelos longos, negros e lisos, era uma morena linda! Novinha, mas com os peitos mais lindos que já tinha visto: durinhos e empinados, bem fartos e sempre bem exibidos por baixo de sua blusa escolar de botão. Como eu sei que eram fartos? Isso é fácil… Todas as vezes em que ela deitava na minha cadeira e abria a boca para mim, eu tinha uma visão espetacular dos seus peitos em sutiãs rendados, cada mês de uma cor diferente. A visão era maravilhosa e eu já ficava de pau duro só com essa visão.

Como estava sempre sentado, meu tesão e meus desejos ficavam sempre muito bem camuflados, afinal a mãe de Juliana sempre acompanhava os procedimentos e tagarelava sem parar. Qual não foi minha surpresa quando naquela tarde, Juliana entrou no meu consultório sozinha e chupando um pirulito… Hum quando vi aquele pirulito, já imaginei aquela boca no meu pau, lambendo meu cacete com aquela vontade que ela lambia o pirulito… Assim que entrou, fechei a porta com a tranca e em tom de brincadeira disse:Continuar leitura