Perdendo a Virgindade com o Irmão

Perdendo a Virgindade com o Irmão
Perdendo a Virgindade com o Irmão
8 votos

O pai de Kaio se casou com a minhã mãe. E todas as férias Kaio vinha pra cá, mas desde que a mãe dele adoeceu, ele não veio mais. Fazia quatro anos que eu não o via mais. Até que a mãe dele faleceu de câncer. Seu pai, meu padrasto, convidou ele para morar com a gente, e para a minha surpresa ele aceitou. Ele tinha 21 anos. Eu estava vindo da escola com um amigo que me deixou em casa de moto. Quando fui me aproximando da casa eu vi aquele moço lindo sentado nas escadas da porta. Me encarando.

— Oi, Danne!

— Kaio?

— Oi, garota, você cresceu, hein?

— Você também.

Ele me deu um beijo na testa e sorriu plenamente.

— Senti sua falta.

— Eu também.

— Ta namorando já?

— Não, não, aquele era só um amigo.

— Pelo o abraço que ele te deu parecia.

Aquele dia colocamos todas as novidades em dia, e já era noite quando minha mãe e meu padrasto chegaram e logo fui dormir. Sonhei a noite inteira com Kaio, ele estava muito lindo. Eu senti vontade de beijar, mas eu tinha apenas 16 anos, o que ele poderia querer comigo. Quando amanheceu, eu me levantei e fui para o banho. Sempre ficava sozinha em casa à essa hora e sempre ficava bem à vontade. Deixei a porta do banheiro aberta. Estava me enxugando e levei um susto quando Kaio passou em frente à porta.

— Nossa! Desculpa, Kaio!

— Foi nada!

Ele havia me visto pelada. E pela cara que ele fez ele gostou. Arrumei-me bem linda pra escola: uma minissaia com uma regatinha bem leve; soltei os cabelos, e me maqueei. Quando desci as escadas para tomar café, Kaio estava cozinhando pra mim.

— Hoje fiz um agrado pra você. Meu pai disse que você gosta.

— Ovos?

— Aham, venha, sente e coma.

Quando ele se virou pra mim mudou sua postura.

— Danne, você vai assim para a escola?

— Sim, por quê?

— Não deveria ir tão linda.

— Quero perder a minha virgindade ainda esse ano — disse mordendo a língua.

— Ah, tá! Tá querendo seduzir todo mundo. Até eu fiquei deslumbrado.

Fui para a escola e na hora da saída Kaio veio me buscar com um carrão. Todas as minhas amigas morreram de inveja. Ele parado em frente ao carro e esperando. Fui correndo até ele. E ele abriu os braços esperando um abraço. Ele me abraçou com força, meu umbigo encostou em uma coisa dura.

Fomos para casa e quando chegamos a mesa estava posta e a comida estava pronta.

— Você que fez?

— Nesses últimos anos aprendi fazer essas coisas para ajudar minha mãe.

— Obrigado!

Fui tomar banho e quando entrei em baixo do chuveiro uma barata enorme. Eu morro de medo de barata. Sem pensar, gritei o nome de Kaio que veio em desespero para o banheiro.

— Kaio uma barata!

Ele entrou no box me vendo toda indefesa, molhada e nua.

— Danne, você tá mexendo comigo. Não posso mais ficar assim.

Peguei o seu rosto em minhas mãos e o puxei para mim. Os nossos lábios se tocaram. Ele desligou o chuveiro me pegou nos braços e me levou para o quarto dele. Ficamos por um longo tempo nos beijando, nos sentindo.

— Kaio, eu quero te dar o presente mais valioso para mim. Minha virgindade é tua.

— Danne, somos irmãos.

— Não de verdade.

Ele sem mais força pra resistir me beijou ferozmente, me sentou no colo dele e me fez tirar a roupa dele. Ali, frente a frente, nós nos desejamos. Ele me chupou inteira me fazendo delirar… Logo pôs aquele pau enorme em minha boca. Fiquei um bom tempo curtindo seu cacete. Ele me deitou e abriu as minhas pernas. Ficou ali brincando na entradinha. Ele me encarou.

 Tem certeza?

— Tenho.

Senti um balão estourar dentro de mim e ardeu muito. Pegava fogo. Mas ele foi cuidadoso, metia devagar e me beijava. Fiquei sem medo. Depois de meia hora de amor, começamos a fazer sexo. Ele metia forte, me fez chorar de verdade, de prazer. Me colocou de quatro na cama e foi quando vi os lençóis todos sujos de sangue, então me assustei.

— Kaio, como vamos limpar?

— Depois — disse enquanto me beijava.

Ele deu uma lambidinha no meu cuzinho e logo senti ele tentando enfiar aquele pau dentro da minha bundinha. E conseguiu. Naquele vai e vem gozamos lentamente. Ele foi perfeito, não sei se é errado mas eu e ele nos amamos de verdade, não imagino minha vida sem ele. E ele disse que queria poder me assumir, mas os nossos pais jamais aceitariam. Continuamos assim, namorando escondido. Hoje é aniversário dele, 23 anos. E eu nos meus 18. Vamos passar a noite no motel, já arranjei um esquema pra ninguém desconfiar.\

~ ~ ~

História verídia contada pela leitora Danne.

Gostou? Não esqueça de deixar seu comentário. Diga se você gozou ou broxou com este conto!

Share Button
Perdendo a Virgindade com o Irmão
8 votos