Perdendo a Virgindade com o Irmão

Perdendo a Virgindade com o Irmão

O pai de Kaio se casou com a minhã mãe. E todas as férias Kaio vinha pra cá, mas desde que a mãe dele adoeceu, ele não veio mais. Fazia quatro anos que eu não o via mais. Até que a mãe dele faleceu de câncer. Seu pai, meu padrasto, convidou ele para morar com a gente, e para a minha surpresa ele aceitou. Ele tinha 21 anos. Eu estava vindo da escola com um amigo que me deixou em casa de moto. Quando fui me aproximando da casa eu vi aquele moço lindo sentado nas escadas da porta. Me encarando.

— Oi, Danne!

— Kaio?

— Oi, garota, você cresceu, hein?

— Você também.

Ele me deu um beijo na testa e sorriu plenamente. Continuar leitura

Meu Professor de Filosofia

Meu Professor de Filosofia

Estava no último ano do ensino médio quando na metade do segundo semestre, entrou um novo professor de Filosofia. No começo, confesso que até me senti atraída por ele, e até ficava molhadinha pensando nele. Um mês antes do ENEM, resolvi dar uma revisada na matéria dele – não que fosse exatamente essa minha intenção. Numa quinta-feira ficamos de janela na ultima aula, então fui na sala dos professores para poder falar com ele. Chegando lá, ele estava sozinho, com um sorriso safado, falei:

— Oi, professor, posso falar com o senhor?

— Claro, Luiza, entre. — Ele me respondeu com outro sorriso, mas não tão safado quanto o meu.

Entrei e já fui ficando toda molhada só por sentir aquele cheiro de maconha que ele tinha. Humanas, né… Falei que queria saber sobre alguns pensadores e suas ideologias. Peguei meu caderno, abaixando-me e arrebitando meu cuzinho. Com o caderno em mãos, fui chegando perto dele e comecei a perguntar as coisas. Conforme ele ia me respondendo, eu ia ficando cada vez mais perto dele. Até que fingi derrubar meu lápis só para encostar meus pequenos seios no braço dele. Ele fingiu não sentir e continuou a me explicar. Conforme o tempo passava, eu sentia mais vontade de chupar aquele pênis. Depois de uns vinte minutos de “aula particular”, eu resolvi ir mais a fundo. Peguei minha garrafinha de água da bolsa, e comecei a tomar, “sem querer” deixei cair um pouco de água na minha blusa. O professor, rindo, falou:Continuar leitura

O Professor de Física

madrugada

As aulas finalmente haviam começado. Com elas, professores e colegas novos haviam chegado. Na segunda semana de aula, todos eles já haviam se apresentado e todo mundo já tinha pelo menos um amigo dentro da classe com quem fazer trabalhos e coisas do gênero. Porém a personalidade das pessoas parece nunca mudar. Um estoque de otários e vadias que apenas se renovava a cada ano, em cada colégio.

Meu nome é Melina e é perceptível que eu não sou nada normal. Até aquele momento, felizmente o professor ou professora de física ainda não havia se apresentado. E isso era bom. Porém, numa quarta feira da segunda semana de aula, finalmente tivemos a trágica noticia de que na sexta-feira daquela mesma semana, o maldito (ou maldita) teria a última aula do dia conosco. Foi como esperar pela morte. Sôfrego e impossível evitar.

Continuar leitura